© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

Fique Ligado: 500 anos da Reforma Protestante, saúde e orçamento da prefeitura de Guarulhos

October 31, 2017

 

REPERCUSSÃO ATUAL NO BRASIL DE 500 ANOS DA REFORMA PROTESTANTE

No último censo oficial do Brasil, feito há 7 anos pelo IBGE, 22% da população se declara evangélica. O Datafolha, via pesquisa por amostragem, afirma que atualmente seriam 32% os evangélicos e 52% os católicos. O cristianismo, que já teve 95% da população brasileira e que já foi a religião oficial do Estado brasileiro na forma do catolicismo, sofreu, a partir do século 19, enorme influência das reformas protestantes, via Inglaterra e Estados Unidos. Entre elas, a reforma iniciada por Martinho Lutero é a mais marcante, não a única. Foi em 31 de outubro de 1515 que Lutero publicou suas divergências com o catolicismo. Ele não queria dividir a Igreja. Mas a reação do Papa, de cardeais e bispos, que o expulsaram da Igreja Católica, desaguou na divisão iniciada na Europa e espalhada depois pelo mundo. Na seção Curta um Curta do gru360.com são publicadas entrevistas sobre os desdobramentos da Reforma de Lutero.

 

O FINANCIAMENTO DA IGREJA, UM DOS TEMAS DE LUTERO, FOI O QUE MAIS PEGOU FAMA

O tema do financiamento e da riqueza da Igreja foi o que mais pegou fama na reforma de Lutero: a sua oposição à venda de indulgências, que garantiam a quem as comprasse o perdão dos pecados e a salvação eterna. Hoje, a arrecadação do dízimo e das ofertas, superturbinado em algumas denominações evangélicas, incomoda muitos outros setores cristãos, evangélicos e católicos. Mas, a Reforma de Lutero teve seus fundamentos em cinco grandes princípios teológicos que não têm a ver com a questão do dinheiro e da riqueza.

 

OS CINCO GRANDES PRINCÍPIOS DA REFORMA DE LUTERO

São cinco grandes slogans que resumem a reforma luterana: 1) Somente a Escritura: A Bíblia é a autoridade máxima do cristão, não a Igreja, nem o Estado. 2) Somente Cristo: Ele é o único mediador entre Deus e os homens, não a hierarquia da Igreja nem os santos. 3) Somente a Graça: a salvação não é obra dos humanos, é um dom recebido graciosamente de Deus. 4) Somente a Fé: a fé no Deus revelado é o caminho da salvação. 5) Somente a Deus a Glória: o fim principal dos humanos é servir e glorificar a Deus.

 

O CRESCIMENTO DOS CRISTÃOS EVANGÉLICOS NO BRASIL  

Antes, quem construía catedrais era a Igreja Católica. Hoje, quem as constrói são alguns ramos cristãos evangélicos.  A população evangélica mais numerosa no Brasil pertence aos diversos ramos da Assembleia de Deus, que há cerca de um século desenvolveu-se no Brasil vinda de um movimento religioso desenvolvido principalmente nos Estados Unidos a partir do final do século 19. Após, em número vêm os fiéis da Igreja Batista, que também possui vários ramos. E há muitas outras denominações tradicionais do protestantismo no Brasil. Mas, quem mais aparece pela sua presença na TV são as igrejas chamadas neopentecostais, como a Igreja Universal e os ramos que dela se desagregaram como a Igreja Mundial do Poder de Deus e a Igreja Internacional da Graça. Grupos religiosos ocupam 20% da programação da TV aberta no Brasil.

 

HOJE ALGUNS RAMOS EVANGÉLICOS DÃO GRANDE PESO À POLÍTICA ELEITORAL

 Não são todas, mas são muitas as denominações evangélicas que passaram a ter um grande ativismo político-eleitoral no Brasil. Há cerca de vinte anos atrás os evangélicos tinham 21 dos 513 deputados/as na Câmara Federal. Hoje têm 80 deputados/as, a maior parte originários da Assembleia de Deus e da Igreja Universal. E, oriundos de algumas denominações evangélicas passaram a disputar também os governos, como é o caso em que foram vitoriosos na Prefeitura do Rio de Janeiro.  No entanto, há várias denominações evangélicas ou protestantes, que, semelhante à Igreja Católica, procuram distanciar seus pastores, sacerdotes, cultos e missas da política eleitoral.

 

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE APROVA AS CONTAS DA SECRETARIA

Por 13 votos a 8, o Conselho Municipal de Saúde, reunido ontem aprovou as contas apresentadas pela Secretaria da Saúde de Guarulhos, relativas aos meses de maio a agosto deste ano. O número de conselheiros/as é de 40. Houve o número regimental, apesar das muitas ausências. A apresentação das contas foi feita por especialistas da Secretaria, divididas em duas partes: balanço financeiro e balanço da produção. A reunião foi dirigida pelo presidente do Conselho, Antonio Luís do Vale, representante dos usuários, porém hoje bastante afinado com a atual gestão municipal. Quem respondeu aos questionamentos foi principalmente a secretária-adjunta da Saúde, Dra. Graciane Figueiredo. O secretário Dr. Sérgio Iglesias está em período de férias.

 

AS CRÍTICAS AO ATENDIMENTO DE SAÚDE SURTEM ALGUM EFEITO

Se comparados os gastos com saúde dos primeiros quatro meses de 2017 com os meses de maio a agosto, a despesa da Prefeitura no setor dobrou. A nova administração tinha esticado a corda até o limite segurando despesas no primeiro quadrimestre. Choveram críticas, especialmente de falta de remédios e insumos nas unidades de saúde. Mas, a Prefeitura ainda não conseguiu gastar todos os recursos vinculados que recebeu dos governos federal  e estadual. Para os remédios, que continuam faltando, recebeu 5 milhões e 200 mil reais, e apenas pagou 1milhão e 400 mil. Com a terceirização do HMU e do Hospital da Criança, a Prefeitura está gastando proporcionalmente mais nesta área do que no ano passado. Os recursos próprios da Prefeitura estão indo para pagar pessoal, encargos e para as terceirizadas.

 

COMEÇA A DISCUSSÃO DO ORÇAMENTO DE 2018 DA PREFEITURA DE GUARULHOS

A Câmara Municipal de Guarulhos hoje (31 de outubro) se dedica a votar projetos de lei sobre os direitos das mulheres, apresentados principalmente por vereadoras que compõem a diminuta bancada de mulheres. São 4 vereadoras apenas (Janete Pietá, Genilda Bernardes, Sandra Gileno, Carol Ribeiro) num universo de mais 30 colegas vereadores. A partir de 6 de novembro a Câmara Municipal começará a discutir o Orçamento do Município para 2018. A Prefeitura espera arrecadar algo em torno de 3 bilhões e 900 milhões de reais no ano que vem. E o SAAE espera arrecadar cerca de 460 milhões de reais. Isto são previsões. Em 2016, por exemplo, a previsão da Prefeitura era de obter 3 bilhões e 700 milhões de reais da sociedade local e das transferências estaduais e federais. Arrecadou 500 milhões a menos. Neste mês de novembro e dezembro, além do Orçamento de 2018 a Câmara local vai discutir e votar o Plano Plurianual (para os próximos 4 anos) e mudanças na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload