Fique ligado: Terceirizada de hospitais atrasa salários, manifestações contra a reforma da previdência, e outras notícias

December 6, 2017

 

TERCEIRIZADA DE HOSPITAIS, GERIR, ATRASA SALÁRIOS

O contrato da Prefeitura de Guarulhos com a Gerir tem todo o potencial de um escândalo. Em cinco meses, de maio a setembro, a Prefeitura de Guarulhos já pagou 61 milhões de reais à empresa terceirizada Gerir, de Goiânia, para cuidar de dois hospitais, o HMU e o Hospital da Criança, e de um pronto atendimento no Paraventi. Mesmo assim ela está atrasando os salários de parte do pessoal que ela contratou. Isto porque, sob a direção dela ficaram 931 funcionários municipais, entre os quais 218 médicos/as. Estes quase mil servidores do município são pagos diretamente pela Prefeitura. Agora que a administração municipal começou a descontar do repasse à empresa o custo do pessoal que o poder público banca, conforme está no contrato, a empresa passou a atrasar os salários dos novos funcionários que ela contratou. E não pagou a primeira parcela do décimo terceiro salário no prazo (30 de novembro).

 

INSEGURANÇA JURÍDICA PODE GERAR CRISE MAIOR NO ATENDIMENTO MÉDICO

A empresa terceirizada Gerir tem um histórico de pendências trabalhistas em outros estados onde atua. Ela contrata muitos funcionários como pessoa jurídica. Por exemplo, cria uma espécie de cooperativa entre os médicos, evitando assim as obrigações da CLT. E atrasa pagamentos. Todo este contrato Prefeitura/Gerir está dependendo de decisão judicial. Foi suspenso na primeira instância da Justiça do Trabalho, em ação movida pelo Sindicato dos Trabalhadores Municipais (STAP). Persiste porém atualmente, por decisão provisória do presidente do Tribunal Regional do Trabalho. O Ministério Público, a pedido da bancada de vereadores do PT, está investigando o contrato, feito sem licitação, de forma emergencial, para um serviço que já era prestado regularmente por servidores municipais. Além disso, há nele uma cláusula estranha: nos três primeiros meses, que viraram quatro, a Gerir funcionou com médicos e funcionários municipais, recebendo 13 milhões e 500 mil por mês, sem descontar este custo com pessoal que não lhe pertence e que ela não remunera. O desconto só se deu no quinto mês, justamente quando a Gerir começou a atrasar o pagamento do pessoal que ela contratou.

 

 

MANIFESTAÇÕES DE SINDICATOS E MOVIMENTOS POPULARES CONTRA A REFORMA

Ontem, terça (5), houve em todo o país manifestações contra a reforma previdenciária do governo Temer, que está em vias de ser votada no Congresso Nacional. Em São Paulo, cerca de três mil pessoas fizeram ato de protesto na avenida Paulista. O ato foi organizado por três centrais sindicais (CUT, CSB, Intersindical), por alguns sindicatos, pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo, e por outras entidades populares, especialmente de moradia e de juventude. O presidente da CUT, em seu discurso, denunciou as manobras de Temer e de seus líderes no Congresso Nacional, que ameaçam os deputados da base governista que resistem em votar a reforma proposta. Segundo ele, os parlamentares são ameaçados de perder a legenda em seus partidos, e assim não concorrer à reeleição. Se concorrerem, são ameaçados de não ter os recursos públicos do fundo partidário em suas campanhas. Além disso, o governo ameaça não pagar as emendas parlamentares destes deputados/as no Orçamento Federal.

 

EM GUARULHOS TAMBÉM HOUVE MANIFESTAÇÕES

Durante o dia desta terça (5) houve manifestações em Guarulhos contra a reforma da previdência. Vários sindicatos, especialmente os filiados à Força Sindical, se manifestaram em frente à agência do INSS da Vila Endres (Itapegica). A direção do sindicato dos bancários, da CUT, fez manifestações em frente de agências bancárias do Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil e Caixa. É sabido que os grandes bancos privados são os principais articuladores da reforma da previdência no chamado ‘mercado’. Há um grande interesse deles em que, cortando as possibilidades de aposentadoria e benefícios previdenciários, o sistema de aposentadoria complementar privado tenha uma grande expansão.

 

Leia mais: Reforma da previdência, despejos em massa, avaliação de governos, e outras notícias 

 

 

 

GOVERNO E CONGRESSO REJEITADOS DECIDEM SOBRE O PAÍS

Na sequência da mesma pesquisa nacional feita pelo instituto Datafolha em 29 e 30 de novembro, foi divulgada hoje (6) a avaliação que o povo teria do Congresso Nacional, segundo a pesquisa. O ruim/péssimo é de 60%, e o bom/ótimo é de 5%. Nele há uma maioria que pôs na presidência da República o interino Temer, que, na mesma pesquisa, tem 71% de ruim e péssimo e 5% de ótimo e bom. Este Congresso e este governo é que estão tomando decisões que repercutem imensamente sobre a sociedade brasileira, como o corte de investimentos em saúde, em educação, em pesquisa científica, em programas sociais; na internacionalização do petróleo nacional; na retirada de direitos trabalhistas antes existentes; e agora nos direitos previdenciários. É um Congresso onde predominam representantes do agronegócio, de conceitos religiosos fundamentalistas, de adeptos de maior repressão (a ‘bancada da bala’), e de representantes de famílias que se mantém há décadas na política. O mais longevo deles, Bonifácio de Andrada, vem de família que tem representação no Congresso Nacional desde a proclamação da República, há 128 anos.

 

ACE TENTA AO MESMO TEMPO REPRESENTAR A CATEGORIA E O GOVERNO

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Guarulhos é contratado pela Prefeitura como assessor especial do prefeito. O ex-presidente da Associação é secretário de Desenvolvimento Urbano. Entende-se assim porque esta entidade deu aval ao aumento do Imposto Sobre Serviços (ISS), proposto pelo prefeito e aprovado pela maioria da Câmara. Em muitos casos o aumento foi de 2% a 5%, em outros de 3% ou 4%, para 5%, num momento de dificuldades das empresas em face da crise econômica nacional. O presidente/assessor, William Paneque, declarou-se satisfeito de sua entidade ter interferido no projeto original do prefeito e conseguido reduzir o alcance do aumento pretendido em vários casos. Procurou passar a versão otimista de vitória numa batalha, num conflito em que a categoria que representa perdeu a guerra.

 

GOVERNO FEDERAL REMETE A SEXUALIDADE AO ENSINO RELIGIOSO

Rompendo a tradição laica do Estado brasileiro, que vem desde a proclamação da República no século 19, o governo do interino Temer legou o tema da sexualidade nas escolas ao ensino religioso. Esta é uma decisão do governo federal na nova versão da Base Nacional Comum Curricular, para o ensino infantil e fundamental, encaminhada ao Conselho Nacional de Educação no fim de novembro. Agora o documento que deverá orientar a base curricular de escolas públicas e privadas no país está em análise na Câmara de Educação Básica do Conselho, de 11 especialistas, entre os quais dois paulistas: o professor da USP, Ivan Siqueira, e o sociólogo César Callegari, ex- secretário de Educação do município de São Paulo.

 

Saiba mais em GRU360.com 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now