© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: DESPEJADOS SÃO CADASTRADOS, GREVE GERAL DIA 19, INTERVENÇÃO NO RIO E MAIS

February 17, 2018

PREFEITURA FAZ CADASTRAMENTO DE FAMÍLIAS DESPEJADAS DA VILA VITÓRIA, MAS NÃO APRESENTA PERSPECTIVAS

Desde quinta-feira (15), a Secretaria Municipal de Habitação está fazendo o cadastramento das famílias que foram despejadas da Vila Vitória. O cadastramento está dividindo as pessoas em 3 categorias: 1) Pessoas de baixíssimo poder aquisitivo e que continuam desabrigadas, são 80 famílias nessa condição; 2) pessoas que pagam o aluguel com muita dificuldade ou que estão em casas de parentes (o que causa constrangimento para quem recebe e para quem oferece a ajuda); 3) famílias com menos precisão nesse momento. O cadastramento já está acontecendo, porém, as pessoas não estavam recebendo comprovante. O secretário da habitação prometeu entregar comprovante a todos os cadastrados. Segundo as famílias que já se cadastraram, os funcionários da habitação disseram que se trata de apenas um cadastro, mas que não existe, por agora, nenhuma perspectiva de que seus problemas sejam resolvidos.

 

GREVE GERAL NO DIA 19 DE FEVEREIRO (SEGUNDA-FEIRA) CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

A adesão à greve contra a reforma da Previdência, que será realizada na segunda-feira 19, cresce em todo o país. As centrais sindicais estão mobilizando suas categorias para realizar uma grande paralisação nacional contra a proposta do governo Temer que, se aprovada pelo Congresso Nacional, significará, na prática, o fim da aposentadoria de milhões de brasileiros e brasileiras.

Em Guarulhos, o Sindicato dos Condutores e o Sindicato dos Bancários, entre outros, participarão dos atos do dia 19 contra a reforma da Previdência. Continue lendo depois da propaganda...

MORADORES DO HAROLDO VELOSO PARTICIPAM DE REUNIÃO COM O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO PARA DISCUTIREM RODOANEL

Neste sábado (17), acontece reunião dos moradores do bairro Haroldo Veloso com o secretário municipal de governo, Paulo Carvalho. O traçado do Rodoanel que dividiu o bairro em 4 partes não é mais uma pauta, pois não haverá mudanças no projeto. A questão agora é o valor das indenizações a serem pagas às pessoas que serão desapropriadas. Muitos estão reclamando que o que está sendo proposto pela Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.) é um valor muito baixo. Para poder compreender melhor essa situação e ajudar nas negociações, a vereadora Janete Pietá (PT) propôs criar uma Comissão Especial de Estudos na Câmara de Guarulhos e o deputados estadual Alencar Santana (PT), prometeu organizar uma reunião entre os moradores e a DERSA. Ao todo, 105 imóveis serão desapropriados.

 

INTERVENÇÃO NO RIO DE JANEIRO: FEDERAL OU MILITAR?

O governo federal fará uma intervenção na área de segurança pública no Estado do Rio de Janeiro até 31 de dezembro deste ano. Com isso, a responsabilidade de gerir essa área, que é estadual, passa para as mãos do governo federal, que será representado por um interventor, que neste caso é o General do Exército Walter Braga Netto, que lidera o Comando Militar do Leste (Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo). Temer diz que não é uma intervenção militar, porém, além de escolher um general como interventor, o decreto do governo federal estipula que o cargo é de natureza militar.

Na intervenção federal no Rio de Janeiro, toda a segurança pública fluminense sai da esfera estadual e fica sob o comando do interventor militar. Ou seja, não se trata apenas do emprego das Forças Armadas ou de forças federais. Mas sim da gestão federal de uma área que antes era coordenada pelo poder estadual.

A Constituição de 1988 prevê a intervenção federal nos estados, mas o instrumento nunca antes tinha sido acionado. Entre os cenários passíveis de intervenção está a necessidade de "pôr termo a grave comprometimento da ordem pública" - que está sendo aplicado no Rio de Janeiro. Outras opções possíveis para a intervenção são reorganizar as finanças do estado ou repelir invasão estrangeira. A intervenção federal precisa ser feita por decreto, estipulando prazo e condições, e deve ser submetida à aprovação do Congresso Nacional.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload