© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: GOVERNO REDUZ NÚMERO DE REMÉDIOS NA FARMÁCIA POPULAR, POBREZA EXTREMA VOLTA A CRESCER NO BRASIL E MAIS NOTÍCIAS

May 22, 2018

Escrito por Elói Pietá

PARA CONSEGUIR EMPREGO É EXIGIDO O ENSINO MÉDIO COMPLETO

Os dados do Ministério do Trabalho sobre emprego e desemprego em Guarulhos mostram a exigência de ensino médio completo para a imensa maioria das admissões por empresas ou pela administração pública. Nesta faixa de escolaridade estão 1.062 dos 1.294 empregos a mais admitidos no mês de abril na cidade. Como a rotatividade é grande, pois na cidade foram demitidos no mês 8.293 e admitidos 9.587 pode-se estender ao todo o que é demonstrado para uma parte pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o CAGED, divulgado na semana passada. Dá para dizer então que cerca de 80% das admissões no mês de abril em Guarulhos foram de pessoas com ensino médio completo. Perdem os de menos escolaridade.

 

GOVERNO FEDERAL REDUZ O NÚMERO DE REMÉDIOS NA FARMÁCIA POPULAR

Um cartaz afixado na rede de farmácias Drogasil afirma: “Em razão da redução dos repasses para pagamento dos medicamentos da Farmácia Popular pelo Ministério da Saúde (...) os produtos abaixo não serão mais liberados através deste Programa”. Vem após a lista de 10 remédios que deixaram de ter o subsídio federal. Entre eles remédios para hipertensão, pressão alta, insuficiência cardíaca.

 

EM MAIO HOUVE 12 ALTAS DOS COMBUSTÍVEIS

O governo federal faz reunião emergencial nesta terça (22) em face das paralisações de caminhoneiros ocorridas ontem e programadas para hoje contra a alta do óleo diesel. Somente em maio houve 12 reajustes da gasolina e 10 do diesel nas refinarias da Petrobras, enquanto o presidente da empresa estava de férias. O governo federal atual resolveu atrelar a variação dos combustíveis à variação quase diária da cotação do petróleo no mercado internacional.

 

EMPRESÁRIOS DO RIO APLAUDEM REPRESSÃO A BALA DAS OCUPAÇÕES

Foi num evento na Associação Comercial do Rio de Janeiro nesta segunda (21) quando o candidato da extrema direita a presidente, Jair Bolsonaro, discursou dizendo: “Invadiu, é chumbo! E se não for chumbo, é lança-chamas!”. Cerca de 300 empresários presentes aplaudiram a declaração de guerra aos pobres sem terra e sem teto que buscam o direito à terra e moradia ocupando terras e prédios vazios. O líder da extrema direita chama os sem-terra e sem-teto de marginais que devem ser tratados como terroristas. A manifestação mostra os perigos por que passa o Brasil com o clima de ódio que se estabeleceu no curso e após a derrubada da presidenta Dilma Rousseff. Continue lendo depois da propaganda...

POBREZA EXTREMA VOLTA A CRESCER NO BRASIL

O Brasil teve um aumento de 11% na pobreza extrema desde o final de 2016, o que significa cerca de um milhão e meio de pessoas. Em um país em que o Governo celebra uma recuperação econômica, havia, no início de 2017, 13,34 milhões de pessoas vivendo em pobreza extrema; no final do mesmo ano, já eram 14,83 milhões, 7,2% da população, segundo relatório da LCA Consultores divulgado pelo IBGE. Esse é o segundo ano consecutivo em que a tendência de crescimento da pobreza se mantém após o progresso espetacular do país entre 2001 e 2012, quando se erradicou 75% da pobreza extrema no Brasil, de acordo com cálculos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

 

CRESCE SALDO POSITIVO NA POUPANÇA

Com saldo negativo acumulado de cerca de R$100 bilhões no período recessivo de 2015/2016, a poupança passou a registrar mais depósitos do que saques no final dE 2017. E acumula saldo positivo de mais de R$10 bilhões de março até a primeira semana de maio de 2018. Esse é um indicador importante, pois mostra a desconfiança no crescimento da economia. É o receio de gastar hoje e faltar amanhã. A queda de 0,13% do PIB no primeiro trimestre apontada pelo IBC-Br, índice do Banco Central divulgado na quarta-feira (16), joga mais água fria nas previsões para o desempenho da economia este ano.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload