© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: MUDANÇAS EM CARGOS-CHAVE DA PREFEITURA DE GUARULHOS, MORADORES DA REGIÃO PROXIMA AO ATERRO SANITÁRIO DE GUARULHOS RECLAMAM DE MAL-ESTAR E MAIS NOTÍCIAS

January 9, 2019

 

 

PUBLICADAS AS MUDANÇAS EM CARGOS-CHAVE DA PREFEITURA DE GUARULHOS

Dois secretários importantes mudaram de posição na Prefeitura de Guarulhos. Paulo Carvalho, até então secretário de Governo, foi deslocado para a Secretaria de Transportes e Trânsito (STMU). Ocupa o lugar de Giuliano Locanto, que vai ocupar um cargo na EMTU em São Paulo no governo Dória. O novo secretário vai ter que encarar o problema do aumento da tarifa dos ônibus, que no ano passado liderou os preços no estado. E o sucateamento dos serviços de trânsito, evidentes nos problemas de sinalização viária e de semáforos. Peterson Ruan, até aqui todo-poderoso secretário da Fazenda, vai para o posto-chave de secretário de Governo. Antes vindo de um escritório de advocacia de São Paulo, agora será uma espécie de vice-prefeito ativo, já que o verdadeiro vice está há mais de ano alijado do governo. No seu lugar na Fazenda entra Ibrahim El Kadi, advogado de Guarulhos, amigo de familiares do prefeito, e que por curto tempo foi superintendente do SAAE neste governo.

 

MUDA MAIS UMA VEZ A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE GUARULHOS

João Pannocchia, que já foi secretário de Justiça neste governo, sai da Educação. Em seu lugar entra uma pessoa vinda de fora de Guarulhos, Paulo César da Silva, que foi secretário de Habitação na curta gestão do governador Márcio França. Este será o quarto secretário de Educação de Guarulhos em dois anos.

 

SAI O PRESIDENTE DA PREVIDÊNCIA MUNICIPAL EM PLENO DEBATE SOBRE O NOVO REGIME DE APOSENTADORIA

Uma das principais consequências da instalação do chamado Regime Jurídico Único na Prefeitura de Guarulhos, que passa mais de 10 mil celetistas a uma legislação trabalhista própria do município, é tirá-los também do INSS e aposentá-los na Previdência Municipal. Esta mudança está em projeto de lei do atual prefeito a ser aprovado na Câmara Municipal, onde ele desfruta de larga maioria. Nesta hora importante para a viabilidade do caixa da Previdência Municipal, foi exonerado nesta terça (8), a pedido diz o Diário Oficial, o presidente da autarquia, Paulo Sérgio Rodrigues Alves. Ele é servidor municipal concursado (engenheiro) e já foi vereador em Guarulhos. Em seu lugar foi nomeado um jovem economista vindo do Instituto de Previdência do município de Tatuí, Eduardo Augusto Reichert, que é secretário da Associação Paulista de Entidades de Previdência do Estado e dos Municípios.

 

MORADORES DA REGIÃO PROXIMA AO ATERRO SANITÁRIO DE GUARULHOS RECLAMAM DE MAL-ESTAR

Moradores que vivem nas proximidades do aterro sanitário de lixo de Guarulhos, que fica na região do Cabuçu e sofreu um deslizamento em 28 de dezembro, dizem que estão com um sentimento físico de mal-estar. As sensações relatadas são de enjoo e indisposição. Com o acidente, o lixo que estava enterrado voltou a ficar exposto, liberando um forte cheiro ruim que, conforme a direção dos ventos, atinge os bairros do Cabuçu, Recreio, Parque Continental, Palmira e outros próximos.  O lixo gera gases e um líquido danoso, denominado chorume.

 

MODELO DE PREVIDÊNCIA DE MINISTRO DE BOLSONARO PODE CRIAR GERAÇÃO DE IDOSOS MAIS POBRES

O ministro da Economia, Paulo Guedes, informou nesta terça-feira (8) que o governo incluirá na proposta de reforma da Previdência Social, a ser enviada ao Congresso em fevereiro, a previsão de um regime de capitalização. O regime atual é o de repartição, que é um modelo solidário em que a atual geração de trabalhadores contribui para sua aposentadoria, mas também para a aposentadoria da geração anterior. A capitalização é uma espécie de poupança que o próprio trabalhador faz para assegurar a sua aposentadoria no futuro (o mesmo modelo que hoje é aplicado na previdência privada). Esse modelo é usado no Chile e tem produzido o empobrecimento de muitos trabalhadores na velhice, sobretudo com o aumento da expectativa de vida, pois o resultado dessa “poupança” feita pelo trabalhador é dividido pelo tempo que se acredita que a pessoa irá viver após se aposentar. É assim que se calcula a aposentadoria mensal. Ou seja, não existe, como no modelo atual, um valor pré-determinado pelo percentual e tempo de contribuição. 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload