© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: SUSPENSO DESPEJO DE FAMÍLIAS DE ANTIGOS FERROVIÁRIOS EM GUARULHOS, BOLSONARO QUER COMEMORAR O GOLPE QUE IMPLANTOU A DITADURA NO BRASIL E MAIS NOTÍCIAS

March 26, 2019

FEVEREIRO TEVE MAIS ADMISSÕES DO QUE DEMISSÕES DE EMPREGADOS

O mês de fevereiro gerou mais admissões de trabalhadores com carteira assinada do que demissões. Isso ocorreu em todo o país, à exceção do Nordeste. No Brasil foram recuperados em fevereiro 173 mil empregos formais. Em dezembro tinham caído 334 mil. Guarulhos, que teve queda de empregos em dezembro e janeiro, acompanhou em fevereiro as tendências do Sudeste, do Sul e Centro-Oeste. O saldo positivo de admissões no mês foi de 3.597, quando confrontadas com as demissões na cidade. Os dados foram publicados ontem (25) pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho. O dado positivo chama atenção, porém, a ao drama da intensa rotatividade nos empregos. Em fevereiro na cidade de Guarulhos foram demitidas 104.856 pessoas que trabalhavam com carteira assinada. O mês não foi nada bom para elas. Ao contrário das 108.453 pessoas admitidas pelas empresas no mês.

 

SUSPENSO DESPEJO DE FAMÍLIAS DE ANTIGOS FERROVIÁRIOS EM GUARULHOS

A secretário-adjunto de Justiça de Guarulhos, Oswaldo Choli Filho, recebeu, nesta segunda (25), representantes das famílias cujas casas foram construídas e concedidas pela própria Prefeitura em 1991, agora ameaçadas de despejo pela mesma Prefeitura. Originalmente as casas foram feitas para abrigar as famílias de ferroviários da Estrada de Ferro Sorocabana. Eles operavam o Trenzinho da Cantareira. Para implantar o complexo da Praça 4° Centenário as famílias, em 1990, foram chamadas pelo prefeito Paschoal Thomeu que ofereceu duas alternativas: indenização em dinheiro ou moradia em local próximo. Escolheram a moradia, agora ameaçada. O secretário-adjunto anunciou que o prazo de oito dias para saída das famílias não se efetivará. Estão abertas as negociações para buscar uma solução. As famílias estavam acompanhadas da vereadora Janete Pietá. Agora, elas pretendem falar com o atual prefeito, cobrando a continuidade do acordo feito há 28 anos com o poder público municipal.

 

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS SÃO CONVOCADAS EM CIMA DA HORA E COM POUCA DIVULGAÇÃO

Nesta terça (26) na Câmara Municipal de Guarulhos haverá audiência pública, convocada pela Câmara, para apresentar e discutir o novo Plano Diretor da cidade, que está em gestação há 8 anos. No próximo sábado (30), no auditório da Prefeitura de Guarulhos, no Paço Municipal, às 9 horas, haverá uma audiência pública para apresentar e discutir o Plano de Mobilidade Urbana da cidade para os próximos 10 anos. Este evento é organizado pela Secretaria de Transportes e Trânsito.  Ambos os casos, como tantos outros do gênero, têm sido mal divulgados pela Prefeitura e pela Câmara. O instituto democrático da audiência pública, em que órgãos estatais devem ouvir as pessoas da sociedade, tem sido esvaziado. Ele é usado pela burocracia apenas para manter o rito legal. Quando a comunidade se alvoroça e comparece, como tem sido o caso das audiências públicas sobre um novo aterro do lixo no Cabuçu, o atual poder público reprime com a Guarda Municipal o povo que comparece.   

 

BOLSONARO QUER COMEMORAR O GOLPE QUE IMPLANTOU A DITADURA NO BRASIL

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou oficialmente que as Forças Armadas poderão comemorar o golpe de 31 de março de 1964, que instaurou uma ditadura militar no país, deixando centenas de mortos e desaparecidos, e cuja repressão lançou mão de estupros e tortura como método de trabalho. O anúncio, feito pelo porta-voz do Governo, Otávio Rêgo Barros, na noite desta segunda (25), diz"o nosso presidente já determinou ao Ministério da Defesa que faça as comemorações devidas com relação a 31 de março de 1964. Bolsonaro faz um aceno considerado por especialistas "mais simbólico do que prático" para a ala mais radical da tropa, conhecida como ‘generais de pijama’, ou militares da reserva. Porém, a simples menção à data como fonte de celebração ganha dimensão humilhante para a frágil democracia brasileira e para familiares que tiveram parentes torturados e mortos na ditadura.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload