© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: MANIFESTAÇÃO CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO LEVOU ÀS RUAS UMA NOVA GERAÇÃO, COMEÇA A INTERVENÇÃO FEDERAL NAS UNIVERSIDADES E MAIS NOTÍCIAS

May 16, 2019

NESTA SEXTA EM GUARULHOS CAMINHADA CONTRA O ABUSO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Está marcada para esta sexta (17), a partir da 13:30 horas, a 2ª Caminhada do Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Ela será na região dos Pimentas, com concentração na Avenida José Miguel Ackel, próximo à igreja de Santo Antônio, Jardim Bela Vista. O evento é organizado por entidades que se dedicam à defesa dos direitos, Cáritas Diocesana, Associação Semente do Amanhã, e Elizabeth Bruyere, com apoio do CRAS e de escolas do entorno.

 

MANIFESTAÇÃO CONTRA OS CORTES NA EDUCAÇÃO LEVOU ÀS RUAS UMA NOVA GERAÇÃO

Quem acompanhou de perto as multidões que em todo o país se manifestaram nesta quarta (15 de maio) contra os cortes de recursos da educação pública, verificou que a maioria das pessoas lá eram jovens que pela primeira vez participavam de eventos coletivos deste tipo. Foi notório também que os eventos não eram organizados por partidos políticos, por centrais sindicais, por frentes populares, como os que se opuseram ao impeachment de Dilma. Nem foram chamados pela grande mídia, por organizações empresariais ou por movimentos de direita como ocorriam com as manifestações pela derrubada da ex-presidente. Havia milhares de frentes convocando os atos de ontem em mais de 200 cidades brasileiras, através das redes sociais e de reuniões presenciais nas universidades e escolas. Os sindicatos de professores e outras entidades sindicais tiveram papel importante na mobilização da categoria e, em decorrência, de estudantes. Tiveram importância também na organização de carros de som e da passeata que se seguiu à concentração na Avenida Paulista, no caso da Região Metropolitana de São Paulo.

 

AS MULTIDÕES QUE SE MANIFESTARAM DEFENDIAM DIREITOS, CONTRA O ATUAL GOVERNO FEDERAL

Foto: Alan Neves

Havia nas manifestações desta quarta uma dupla natureza, como duas faces da mesma moeda. A razão primeira era a defesa de direitos à educação pública, gratuita com qualidade. A outra face era a oposição ao atual governo federal que em várias frentes tem atacado a juventude, seja na educação, seja na tentativa de impor uma ideologia conservadora, repudiada pela maioria dos jovens. No Brasil, a cada maré de manifestações de rua nos últimos anos, novos personagens surgem na cena da democracia brasileira. Agora quem foi em massa às ruas foi a juventude que cursa universidades públicas e quem, no ensino médio, pretende chegar à universidade. Eles e elas estavam lá defendendo seus direitos e protestando contra um governo que claramente não os representa.

 

BOLSONARO PERDEU A GUERRA DE NARRATIVAS NAS REDES DIGITAIS NESTA QUARTA-FEIRA (15)

Segundo pesquisa feita pela startup Arquimedes,  a partir de uma amostra de 600 mil tuítes feitos entre a meia-noite e as 20h desta quarta-feira (15), a cada dez mensagens relacionadas aos protestos, nove criticavam o governo de Bolsonaro. Segundo Pedro Bruzzi, fundador da Arquimedes e ex-integrante da Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da FGV, as declarações de Bolsonaro sobre o ato contribuíram para um aumento do volume de postagens sobre o governo. “O assunto estava muito esvaziado até a tarde de terça-feira. Após a declaração de Bolsonaro (que chamou os manifestantes de "massa de manobra" e " idiotas úteis, uns imbecis") houve uma forte reação no Twitter. Embora a rede digital de apoiadores do governo seja significativa, podemos afirmar que, ontem (quarta-feira, 15 de maio). eles sofreram um massacre”, afirmou o pesquisador.

 

COMEÇA A INTERVENÇÃO FEDERAL NAS UNIVERSIDADES

Justamente no mesmo dia das grandes manifestações de 15 de maio foi publicado decreto do presidente da República que retira a autonomia dos reitores das universidades para nomear outros cargos da cúpula da universidade: os pró-reitores e os diretores de cada campus da universidade ou de cada departamento. Pelo decreto toda e qualquer nomeação tem que passar pelo filtro de informações da ABIN (Agência Brasileira de Inteligência), vinculada à presidência da República. A vida da pessoa futura ocupante dos cargos será obrigatoriamente esquadrinhada por este sistema policial de informação. As nomeações dos cargos importantes nas universidades públicas federais deverão passar primeiro pelos dados constantes num Sistema Integrado de Nomeações e Consultas sob o controle da Casa Civil da Presidência da República. Espera-se que tanto o Congresso Nacional, quanto o STF afirmem a clara inconstitucionalidade desse decreto que fere de morte a garantia constitucional da autonomia das universidades, como espaços livres de produção de conhecimento.

 

MAIS DE 5 MILHÕES DE BRASILEIROS E BRASILEIRAS PROCURAM EMPREGO HÁ MAIS DE UM ANO

Dados divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que 5,2 milhões de desempregados procuram emprego há mais de 1 ano. Esse universo representa 38,9% do total de desempregados no país. A taxa de desemprego média no país no 1º trimestre de 2019 subiu para 12,7%, conforme já divulgado anteriormente pelo IBGE, atingindo 13,4 milhões de brasileiros e brasileiras.

 

NA MANIFESTAÇÃO DA PAULISTA, DESTAQUE PARA A CRIATIVIDADE DOS CARTAZES

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload