© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: EDUCAÇÃO EM GUARULHOS SOFRE COM OBRAS PARADAS, EPISÓDIO DA TRANSFERÊNCIA DE LULA CAUSA REPÚDIO SUPRAPARTIDÁRIO AOS PORÕES DA LAVA JATO E MAIS NOTÍCIAS

August 9, 2019

EDUCAÇÃO EM GUARULHOS SOFRE COM OBRAS PARADAS 

Segundo relatório do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, a Educação em Guarulhos também sofre com muitos problemas de capacidade administrativa. Os dados de 2018, mostram que das 14 obras da Secretaria da Educação, 7 obras de escolas e creches e CEUs estão paralisadas, com investimentos até aqui feitos de 47 milhões de reais, deixando de atender quase 5 mil alunos e alunas, sendo 1.700 vagas em creches e 3.240 em pré-escola. Trata-se de quatro creches, dois CEUs – Centro de Educação Unificado (São Domingos e Itapegica) e uma quadra. Além dessas obras paralisadas em 2018, a Escola Vila Alzira (fotos a seguir) foi concluída e deverá ser inaugurada apenas no início de 2020 devido à falha no planejamento da Prefeitura para aquisição de mobiliário e contratação de servidores.

 

GRANDE MAIORIA DAS ESCOLAS DA PREFEITURA ESTAVAM SEM VISTORIA DO CORPO DE BOMBEIROS EM 2018

A questão de segurança também é um problema nas escolas da Prefeitura de Guarulhos. Segundo o relatório do Tribunal de Contas das 141 unidades escolares, apenas 17 estabelecimentos de ensino da rede pública municipal possuem AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros) vigente no ano de 2018. A vistoria do corpo de bombeiros avalia as condições de segurança dos prédios, tanto da qualidade da estrutura física, quanto dos dispositivos de segurança obrigatórios em espaços públicos como as escolas. 

 

GOVERNADOR DE SÃO PAULO MOSTRA SUA BAIXEZA AO ATACAR LULA

O governador de São Paulo, João Dória, foi grosseiro, desrespeitoso e injusto com o ex-presidente da República. Antes de saber que o Supremo Tribunal Federal, em decisão de 10 de seus 11 membros, considerou ilegal a conspiração de juízes para transferir Lula a um presídio comum, o governador, no Twitter, afirmou que “Lula, se desejar, terá oportunidade de fazer algo que jamais fez na vida: trabalhar!”. Para Dória o trabalho de torneiro mecânico no chão da fábrica não é trabalho. Para ele, Lula ter sido o dirigente máximo do mais famoso sindicato dos metalúrgicos do Brasil, não é trabalho. Para ele, o ex-presidente ter sido um dos deputados constituintes mais influentes, não foi trabalho. Se para Dória, Lula ser presidente da República durante 8 anos não foi trabalho, imagine-se o quanto é apenas lazer o cargo governador de estado. Dória vem da elite que acha que só é trabalho ser apresentador de TV. Ele perdeu uma excelente oportunidade de ficar calado. Sua grosseria, desrespeito, e mentira ficará como uma das marcas de sua falta de personalidade.

 

EPISÓDIO DA TRANSFERÊNCIA DE LULA CAUSA REPÚDIO SUPRAPARTIDÁRIO AOS PORÕES DA LAVA JATO

O episódio da tentativa de colocar o ex-presidente Lula numa prisão comum pôs a nu mais uma vez que juízes e procuradores da Lava Jato se consideram acima das leis. Ex-presidentes da República têm direito a um tratamento especial, pelo que simbolizam no país e no exterior, e por razões de segurança. A reação contra este mais recente desrespeito da Lava Jato às instituições da República foi suprapartidária. Deputados e senadores de partidos de esquerda, centro, e de direita, protestaram no Supremo contra o arbítrio. A resposta imediata dos ministros do STF, muitos deles que sempre têm votado contra a liberdade de Lula, mostrou que tendem a colocar um freio na República de Curitiba. As revelações das mensagens do Telegram entre os membros da Lava Jato vão provando que era um partido político escondido atrás da magistratura, conspirando contra o próprio país, contra a soberania popular nas eleições, contra a cúpula da República e do Judiciário, contra as grandes empresas estatais e grandes empresas nacionais, buscando tirar vantagens econômicas da popularidade que os meios de comunicação lhes concediam.

 

REFORMA DA PREVIDÊNCIA VAI AGORA PARA O SENADO

A Câmara Federal encerrou sua tarefa de cortar benefícios da Previdência e dificultar o acesso da população ao maior programa social que foi criado ao longo de quase um século da história brasileira. Só não foram cortados os privilégios da elite que ou tem aposentadoria integral conforme seus maiores salários da ativa ou pela sua extrema riqueza não depende de benefícios previdenciários. Agora a reforma vão para o Senado Federal. A tendência é que lá não sofra modificações de tal forma que seja retirada da renda popular algo em torno de 90 bilhões de reais por ano.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload