© 2017 gru360 / Aqui Guarulhos se encontra em 360 Graus 

FIQUE LIGADO: ACORDO JUDICIAL EVITA DESPEJO DE 99 FAMÍLIAS NA VILA RIO EM GUARULHOS, GOVERNADOR DE SÃO PAULO DEMORA 5 DIAS PARA SE CHOCAR COM AS MORTES DOS 9 JOVENS DE PARAISÓPOLIS E MAIS NOTÍCIAS

December 5, 2019

ACORDO JUDICIAL EVITA DESPEJO DE 99 FAMÍLIAS NA VILA RIO EM GUARULHOS

Já estava marcada a data desta quinta-feira (5) na Polícia Militar para acompanhar oficial de justiça e despejar 99 famílias que há mais de uma década moram em terreno de 6 mil metros quadrados na Vila Rio, em Guarulhos, próximo ao cemitério. A ação de reintegração de posse, questionada pelas famílias, já era definitiva. Não havia mais recursos judiciais. Segundo moradores o proprietário havia entrado no processo para justificar sua propriedade com um título imobiliário de um apartamento na região. Mas a Justiça lhe deu ganho de causa. Pelo acordo, proposto pelos advogados das duas partes, com concordância delas, as famílias que lá moram pagarão 4 milhões de reais pela área, em várias parcelas. A primeira parcela, coletiva, é de 50 mil reais em dezembro, seguida de outras de igual valor até março. Ainda coletivamente, pagarão 6 parcelas de 100 mil reais de abril até setembro do próximo ano. O valor restante será pago, sempre coletivamente, em 120 parcelas de 26 mil reais a partir de outubro de 2020. Qualquer dívida de impostos ou ambiental será de responsabilidade dos moradores. O MTST deu assistência aos moradores nos dias decisivos do acordo.

 

PREFEITURA DE GUARULHOS ARRECADA 3 BILHÕES E 464 MILHÕES EM 10 MESES

Uma análise do desempenho financeiro da Prefeitura de Guarulhos neste ano, de janeiro a outubro inclusive, mostra que a arrecadação foi de 3 bilhões e 464 milhões de reais. O desempenho ficou 5 e meio por cento a mais do que no mesmo período de 2018, portanto acima da inflação nacional de 2,6% de janeiro a outubro. A receita maior veio do imposto sobre circulação de mercadorias e serviços, o ICMS, com 1 bilhão e 38 milhões de reais. Depois vem o IPTU, com 515 milhões. E logo abaixo o imposto municipal sobre serviços, o ISS, com 462 milhões. Na sequência vem o IPVA com 184 milhões, seguido do fundo para o desenvolvimento da educação básica, o Fundeb, com 152 milhões, e do imposto de renda com 128 milhões. Arrecadações menores, mas significativas, foram o fundo federal de participação dos municípios, FPM, com 61 milhões, a contribuição de iluminação pública (Cosip) com 55 milhões, e as multas de trânsito com 38 milhões, trinta por cento a mais do que no mesmo período do ano passado. A Sabesp entrou com 30 milhões pela aquisição do Saae.

 

EM VOTAÇÃO AUMENTO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DOS FUNCIONÁRIOS DO ESTADO  

A Assembleia Legislativa de São Paulo está para votar o aumento de 11% para 14% da contribuição previdenciária dos funcionários e funcionárias estaduais. A proposta é do governador Dória. A reforma nacional da previdência determinou que os estados e municípios têm até 31 de julho de 2020 para elevar o valor da contribuição previdenciária até 14%. A punição se não o fizerem é não poder receber verbas federais fora das obrigações constitucionais, nem ter autorização para empréstimos. No caso do município de Guarulhos a contribuição atual é de 11%. O município, se quiser evitar penalidades, terá que adequar até julho do próximo ano a contribuição previdenciária de seus servidores para 14% ou fazer um escalonamento conforme os salários, dos mais baixos aos mais altos, indo de 7,5% a 22%.

 

GOVERNADOR DE SÃO PAULO DEMORA 5 DIAS PARA SE CHOCAR COM AS MORTES DOS 9 JOVENS DE PARAISÓPOLIS

Só nesta quinta-feira, 5 dias depois da tragédia que resultou na morte de oito rapazes e uma garota que se divertiam num baile funk na comunidade de Paraisópolis, o governador Dória se declarou chocado com o acontecimento. Antes ele havia dito que nada iria mudar no modo de agir da polícia militar, que encurralou a multidão de mais de cinco mil jovens enquanto agredia os que tinha pela frente e jogava bombas de gás lacrimogêneo. Agora, o governador declarou que quer mudar o moído de agir da polícia nestes casos. Que vai renovar protocolos, treinamento e comando. Sua mudança de posição deu-se apenas após a repercussão negativa, as reações de indignação na sociedade, as dúvidas se as mortes haviam sido mesmo por pisoteamento, e alteração da cena das mortes pelos policiais, que removeram do local 7 jovens que já estavam mortos, quando deveriam ter feito a preservação dos corpos no local para a perícia técnica, no sentido de auxiliar na definição da causa e responsáveis das mortes.

Apoio:

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload